miércoles, 22 de diciembre de 2010

Cuando Calienta el Sol en Masachapa


Enfim, ontem à noite aconteceu: estamos no verão. Verão que nos trará mais amizades, mais tranquilidade, mais amor. Na foto, bodas em Masachapa, la playa empezando a calentarse.

Ao entrar a estação mais festiva, estávamos na Cidade Baixa, na velha zona boêmia de Porto Alegre, prestigiando a inauguração do bar da cantante Nina Moreno, no 119 da Rua da Olaria (Lima e Silva). Além de Nina, assistimos Agomar Martins, o famoso juiz de futebol, o melhor de todos os tempos, e a sua pegada em músicas sentimentais é o atestado de que só não escreveu Cantor na carteira profissional porque não quis. Depois o  Dr. Teixeira, a sua interpretação do Alto da Bronze é de estremecer, quando chegou ao fim , "Oh! meu Alto da Bronze dos meus oito anos", Salito estava com os olhos rasos d'água. Deu branco na autoria do Alto da Bronze, mas vamos investigar.
Acompanhando a todos o grande violonista e cantor Darcy Alves, companheiro de Lupicínio e de todos os grandes da noite porto-alegrense, que se deu ao luxo de interpretar Liebestraum, do Franz Liszt.

Muito mais tarde, agora já acompanhados do inseparável boêmio Walter Schumacher, caímos no buteco do Marinho. Lá topamos com Paulo de Tarso, com Potosí inteira nos cabelos, sorridente encostado no balcão. Ainda falaremos mais desse pessoal todo. Tomamos todas as geladas, com saudades de Dolores, que passará o Natal em Barcelona.

Na Cidade Baixa banqueiros não entram e políticos são raros, e estes raros são comunas, de modo que liberamos a escolta, Juanito Diaz Matabanquero e demais parceiros aproveitaram para dar um pulo em Rivera. Carlito Dulcemano Yanés segue no rastro de Ju Betsabé.

Para iniciar um tempo assim, inevitável se sonhar com a praia. E para aqueles que acham que detestamos os pés-grandes do Norte, tem de ser com uma estadunidense. E assim será.
Com o nome artístico de Vikki Carr, trazemos Florencia Bisenta de Casillas Martinez Cardona (19/07/1941, El Paso, Texas, USA), num vídeo antigo pacas, uma pena não termos obtido outras coisas fantásticas que essa maravilhosa artista cometeu em outros shows.

E como aqui não se bate em prego sem estopa, vai uma historinha interessante.
 
Lá pelos idos de 1950, según la historia, en Nicarágua, un hombre llamado Rafael Gastón Pérez, o querido e inmortal  "Oreja de Burro", compôs "Quando Calienta el Sol en Masachapa", referindo ao sol de uma praia no Pacífico nicaraguense, Masachapa, onde na foto ali em cima tem cena de casamento.
 
Malecho dos pilas, vendeu a música (na época não havia direito autoral organizado, basta lembrarmos que aqui no Brasil Cartola e outros grandes caras venderam muito samba pros ricos da Zona Sul do Rio, que os gravavam como seus) aos Irmãos Rigual, por uma ninharia, coisa de 50 córdobas.
 
Rafael Gastón Pérez é amado pelo povo de Nicarágua,  pois foi um artista completo, dominando instrumentos como piano, guitarra e contrabaixo, e absolutamente perfeito no trompete. Y mui bueno cantor de guarachas!
 
Alguém não deseja que nós, os latinos americanos, nos conheçamos e reconheçamos como irmãos que somos, mas temos muitas lágrimas em comum. Don Rafael compôs ainda algo que milagrosamente sempre tocou no Brasil (Salve, João Bosco), com o devido crédito: um bolero chamado Sinceridad. Ainda não encontramos seu bolero Noites de Dezembro, que muito viria a calhar no mês que hoje vivemos. Felipe Pirela o gravou em Venezuela.
 
Felipe Pirela é o grande cantor venezuelano de boleros, assassinado aos 30 anos em Porto Rico, com 31 tiros, pelos mercenários de Mr. F. Febraban e políticos locais. Felipe era amado... epa, mania de ir desviando o assunto.
 
Rafael Gastón Pérez morreu em 1962, num 4 de fevereiro, com apenas 45 aninhos. Vinte anos depois, o Sistema Sandinista de Televisão promoveu um festival, em sua homenagem, que sacudiu o hemisfério, mas que, por alguma razão, no Brasil ninguém soube. Plim-plim, desenho animado dos assassinos do Norte. A tevê outra, a berrar Heil Hitler!, com o Boris Casoy na tela. 
 
Os mexicanos Mário e Carlos Rigual, também notáveis artistas, tiveram o grande mérito de divulgar pelo mundo todo a música que compraram. Só cortaram a praia de Masachapa do título e da letra. Meio século depois ainda tiveram a decência de dividir o crédito da autoria com o autor, citando seu nome junto aos deles. De dinheiro Rafael nunca viu a cor.
 
E aqui está, com a cantante norte-americana Florencia Bisenta de Casillas Martinez Cardona,  a obra-prima do grande nicaraguense. Desejamos que todos a ouçam, na praia, rodeados de flores estivais, olhando seus amores nos olhos...


Em 22/set/2012, alertado por uma leitora, voltei aqui. A rede americana retirou o vídeo, sei lá por que, uma música que nunca tocam, onde atrapalharia os seus lucros? Ah, pelo mau exemplo, o medo que a moda pegue com os lixos de que são donas hoje. Penaliza crianças de conhecer o passado, de ouvir, de sonhar, por nada, aliás, perdem de fazer publicidade da cantante.

Mas alguém, alma de amor, já havia recolocado. Quem souber copiar, copie, guarde para novamente colocar amanhã ou depois, para manter a cultura e o bom-gosto que eles querem sepultar.

Ei-la: Florencia Bisenta, com o nome artístico de Vikki Carr, florão de aurora, voz de deusa apaixonada, magnífica estrela da manhã.




Retiraram novamente. Uma alma boa novamente recolocou.

4 comentarios:

  1. VIAJEI com seu texto, linda historia . Parabéns!
    Outrora lendo sobre a Nicarágua, motivos afins, (amigas e meu genro são de lá). Ilhas vulcânicas PARADISÍACAS banhadas pelo Pacifico, fazem jus á bela composição de Rafael Gastón Pérez "Quando Calienta el Sol en Masachapa" interpretada pela magnífica Vikki Carr. É de estremecer...

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Aqui se comete Honra ao mérito, sempre que possível. E pessoas como tu só nos dão mais coragem, pois sentem igual. Obrigado e um abraço. Salito.

      Eliminar
  2. PARABÉNS meu irmão. Dados importantes, cultura e uma bela história.

    ResponderEliminar