lunes, 27 de diciembre de 2010

Todos os vinhos da presidenta

.
O assunto aqui é música de todos os tempos, ao menos nesta fase que passamos. Como o tema que seguirá, sobre festanças dos biltres abonados com distribuição de nada ao povo,  é penoso, para quem escreve, talvez também a quem leia, tratamos já de início de lembrarmos um famoso bolero de 1949, Hipocrita, de autoria de Carlos Crespo (Carlos Crespo Cafuentes, não se encontra dados biográficos, quem conseguir por favor nos envie).

O primeiro cantor, Julio Ángel (Julio Ángel Acevedo. Puerto Rico, 23/12/1945), ótimo,  começa sorrindo, não entendemos a razão, mas é melhor assim, rir da hipocrisia.

Sim, a categoria do cantante mais velho declara que ele é nada menos que o grande Johnny Albino (Puerto Rico, 19/12/1919) que integrou Los Panchos como voz principal, substituindo ao lendário Julito Rodriguez. Tanto Julio Ángel como Johnny Albino fizeram carreira nos Estados Unidos, Nueva Iorque (La Gran Manzana), como também fizeram Los Panchos.

Frank Sinatra cansou de dizer que cantores mesmo, dignos desse nome, só viu dois, cada um a sua maneira: Nelson Gonçalves  e Johnny Albino, e que jamais seria nem sombra deles. Tinha razão. Cantor, mesmo, define-se, em geral, como a união de grande poderio de voz e maiúscula interpretação. Frank foi um grande intérprete.

E um grande cara. É famosa a passagem em que Nelson Gonçalves (gaúcho, sim, de Livramento), no camarim depois de um show em renomado teatro novaiorquino, atende a porta e se vê diante de dezenas de microfones e câmeras de tevê, à frente Frank Sinatra de fraque com um enorme buquê de cravos vermelhos e brancos, para dar (e disse sorrindo diante das câmeras) "ao melhor cantor do mundo". Mas essa é outra estória.

Estamos ainda tentando encontrar Alfredo Gil, a pedido de Jacqueline Pompadour, para que se entenda melhor a sua guitarra puntera, o "requinto" que inventou. Só comparável a Waldir Azevedo em noite inspirada, Pedacinho do Céu no seu cavaquinho, ou Canhoto solando enquanto seu corpo descia à última etapa, que também é outra estória.
Para a Hipócrita:




Ao ponto.

O valente companheiro Schumacher, o nosso homem dos vinhos, como Salito (& Cia.) também não comparecerá à posse da Dilminha Mad Madam Mim, mesmo sabendo que a festança será regada a vinhos gaúchos, por alguma razão produzidos por uma só empresa. 

Nós não iremos porque nem bêbedos suportaríamos o cheiro das hienas que estarão catando restos de orçamento por lá,  todas vestidas de pinguim, e as piranhas do Paranoá, então, voando ensandecidas... Nacos de dinheiro, carnes de crianças, para sufocar o medo da vida.

Tudo a ver com o que jamais..., mas até iríamos, se Dilma e seus chefes não convidassem gentes, digamos, que, que... não valem o que comem. À evidência. Perdão aos amigos do blog pela crueza.

Não se preocupe, madame: Josés Dirceus, Sarneys, Collors, Jaders, mais a imensa turma dos chupa, ahn... chupa-botas, estarão lhe prestigiando. Inesquecível, Mad, para ti pelas tantas emoções, no dizer rascante do falso de Itapemirim. Para mim pela náusea. Sim, querida, o que nos separa é o estômago, o meu é fraco. E dos defeitos que tenho, senhora, esse não é o maior.

Já ia mudando de assunto, misturando pessoas, singular e plural.

João da Noite, que é poliglota, foi convidado. Ele e mais dez caras do país. Um time completo. Para trabalharem de porteiros papagaios, sob as ordens do Itamaraty. Do Itamaraty que odeia música, odeia artistas do Brasil, que ama o salário e mordomias em lejanas capitais. O Itamaraty de orgias e mentiras. Da parte ruim de Aristóteles, das oportunidades para todos, desde que a elite dirigente seja... os filhos deles.

Estão se ralando com o Marco Aurélio? Oba. Esperamos que piore. Ferro neles, Marco!

Bem..., mania de desviar o assunto.

Os outros dez  traduzirão espanhol, alemão, francês, italiano, inglês e se vai, um para cada idioma.

João é especial, sabe tudo de javanês (Alô, Lima Barreto, viu essa?!), mandarim, bantu e quirundi (nesta última Salito se vira). Claro que sabe as outras que os demais falarão, mas nessas outras, as "fáceis", eles terão os dez ganhando o triplo, amigos... Não sei se me explico bem.

Justiça seja feita aos incestuosos lalaus: João não daria conta sozinho, pois os parlamentares entrariam em ondas na recepção, feito lobas sobre a presa, ajeitando as roupas, com a voz atropelada, olhinhos cintilando a cobiça, ai que prazer, se cheirando no temor da perda do perfume, tropeçando ansiosos até a fila dos cumprimentos.
Nessa hora Fausto Wolff deverá estar pedindo uma licença do Céu, dar um pulinho no Inferno tomar uns uísques. Nesses momentos sempre pensamos em ti, na tua coragem, no teu despreendimento, Faustin von Wolffenbüttel. Tome uma por nós.

João recusou. Vinte mil, limpos de avião, hotel, mansão das festinhas do Boquinha do Caseiro Nildo e tudo. Ah, sim, ele lá, todo festivo, fazendo ar de homem sério, o Boquinha,  chefe de tudo agora, depois da escandalosa absolvição pelo Supremo Tribunal dos Ricos. Precisamos ler todo o processo. Pausa para vomitar, acontece toda vez que falo nesse elemento. Que decepção, escrava Mad!


Retomando. Falava de João da Noite. O surpreendi no convés da palafita contando a Juan Díaz Matabanquero: "Eu iria, Juanito, juro que iria, pelo meu Brasil, se fosse para gritar aos estrangeiros, em todas as línguas, a cada deputado ou senador brasileiro que entrasse: CUIDADO COM A CARTEIRA".

E João chorou. Chôro para dentro (amamos o circunflexo banido pela "academia"), chôro de homem. Sufocando, com gestos tentando mentir que era tosse ou lembrança da mana morta. Saí sem dizer nada, nem me  viu. Amanhã alcanço-lhe 50 reais, para alguma bebida, a sua aposentadoria mal dá para a bóia. Juanito foi render Kafil no outro lado, era hora. Uma névoa gelada desceu sobre o bunker.

Eu também não vou, já disse, nem ousaram me convidar. Nós não vamos a coroação alguma no Brasil, coroações obtidas pelo engano desde sempre.

Yifan Hou tornou-se rainha do mundo em Antióquia, esta valeria a pena, conseguiu sozinha calculando um universo geométrico, algo como 2 elevado a 64, mas pleno de perigosos buracos negros, estrelas gigantescas brilhando a ilumina-la e a perturbar-lhe os sentidos, sem patife algum a assoprar-lhe soluções, só Deus a movimentar-lhe a mente.

O Deus de quem falo não é tu, Mr. F. Febraban, é outro, Aquele dos nossos sonhos e medos, da condição humana, não um reles agiota, ladrão sujo, que o tempo esquecerá. Quem gosta de ti e o considera Deus é Mr. Lula, o primeiro imbecil a publicamente endeusar banqueiros neste país.

Mas a razão maior de não irmos nesse vulgar bailão, sin más palabras, é porque combinamos com Dolores entrarmos 2011 sentindo na pele o calientar de la playa de Masachapa, besándonos con el más dulce de los besos.

Não faltarei, meu amor.

Em seu blog  Vinícolas e Vinhedos (de onde roubamos o título desta postagem) Schumi expõe singelamente as suas razões. Começa assim:

"Não vou comparecer na cerimônia do Itamaraty, ainda não recebi o convite, mas, mesmo que a carteira de minha rua apareça com um registrado de última hora, não vou aceitá-lo. Já decidi que não vou, não quero ir, não estou a fim, que se danem os salões do terceiro piso do palácio, os jardins suspensos do grande terraço e a vista enjoativa do congresso, prefiro encontrar meus amigos verdadeiros. Vou reservar mesa nalguma calçada da rua da Olaria e convidar o pessoal: Francesca Testarossa, Heloisa Parangolé, Don Salito de los Espantos, Victoria Schumacher, Artur Witt, as gregas da Cavalhada, Sidnei Nabokowski e a brava companheira Verinha."

Se a reunião dos amigos ocorrer até a noite do dia 30 lá estaremos, o teco-teco pode esperar. Pero después me voy.

Aqui acabarei levando um tiro "acidental". O Brasil nestes dias tem cheiro de sangue seco, o nosso sangue, tinto no maldito pôr-do-sol de Brasília.

.


21 comentarios:

  1. Muito Bom amigo Salito, uma versão melhor que a outra, cada dia que abro teu blog, vejo as modificações surpreendentes deste post. Parabéns, continue assim!
    Grande Abraço.

    ResponderEliminar
  2. Até amanhã, se Deus quiser, se não chover, eu volto pra te ver, ó mulher, de ti gosto mais que outra qualquer, não é por gosto, o destino é quem quer. Até amanhã...

    ResponderEliminar
  3. João da Noite, Carlos Yanés e Juanito, e... todos os amigos, ajudam muito, sem eles não haveria blog. Sem ti idem. Gratíssimo, Walter.
    Abrazo!

    ResponderEliminar
  4. Como são as coisas, escrevi "sem ti", Carlito leu e falou que um dos boleros mais lindos chama-se "Sin ti", do Tito e do Pepe Guizar. Vou conferir. Carlos Yanés está melhorando, desistiu de Ju Betsabé, anda a chamando de burra, jejeje, o Sin Ti é rescaldo do fim. Abrazo!

    ResponderEliminar
  5. não irei ao planalto central, mas penso em dar uma passada na praça da matriz para um último adeus, uma despedida firme e calorosa. Estarei a sombra de algum jacarandá observando a revoada do passaredo atucanado e acenando com o dedo médio de minha mão direita plenamente estendido, recitarei meus versos preferidos: "vayate chiquitita sin fuego, andate a caminar, vayate con dios y no vuelva jamas."

    ResponderEliminar
  6. Oi de novo. Quero deixar um comentário com minha fotinho do lado e não tô conseguindo... quero ajuda, por favor.

    ResponderEliminar
  7. Bah, Ana Claudia, eu tambem tou querendo ver tua foto de ladinho. Não é dificil, é só marcar no perfil do usuário. Simples.

    ResponderEliminar
  8. Walter, oi. Sou seguidora do blog... mas qdo seleciono o "comentar como:", aqui debaixo, coloco em: conta google. Talvez eu tenha que colocar uma foto no perfil da conta google... achei q tinha um jeito de comentar como seguidora... obrigada por responder

    ResponderEliminar
  9. é isso mesmo. tem uma janela no canto esquerdo para colocar a foto, é só escolher em arquivos e carregar foto.

    ResponderEliminar
  10. ok, mas já tenho foto, sou seguidora do blog rsrsrsrr

    ResponderEliminar
  11. Oi Sr Walter... só uma perguntinha... vi um cara num jornal hj de noite (tv), especialista em vinhos... com seu sobrenome...era vc?

    ResponderEliminar
  12. Feliz 2011 ao meu querido amigo Salito. Beijos no teu coração guri!

    ResponderEliminar
  13. Oi Ana Cláudia! não era eu não, onde foi que passou? agora fiquei curioso. na minha família, a maioria prefere cerveja, mas tem uns 4 que gostam e trabalham com vinho.

    ResponderEliminar
  14. Acho q foi na globo... tinha sido um cara do RSm q tinha ido p sampa ou rio especialmente pelo assunto: vinhos... eu lembro q gravei o sobrenome dele pq associei com "corridas".

    ResponderEliminar
  15. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar
  16. Descobri tudo neste link http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2010/12/producao-brasileira-de-espumantes-espera-bater-recordes-em-2010.html
    é meu irmão Werner-aparece no vídeo. Me enganei, agora somos 5, tem mais um recem formado em enologia.

    ResponderEliminar
  17. Ó, viu só? Legal. Cheguei a pensar q minha porção loira tava me pregando uma peça, rsrsrsr

    ResponderEliminar
  18. Oi, Ana Cláudia! Pq não vamos juntos na praça da matriz. Agora q vi tua foto, fica fácil te encontrar.

    ResponderEliminar