lunes, 14 de abril de 2014

Sonhando com a deusa

.

Hoje amanheci chorando, soluçando alto, quase gritos incontidos, acho que inundei o prédio de água salgada, os vizinhos tocaram a campainha, tudo bem contigo, camarada? Sim, desculpe, tudo bem, obrigado. Todo sem jeito.

Aí lavei o rosto, abri uma cerveja, e fiquei bem. Chorava de saudades da Marisa Monte. Sonho ruim, as desilusões deram de me assaltar até dormindo. Aquela droga de bebida verde, o absinto, me empanou a memória. Também, 73 graus de teor alcoólico... Mais as cervejas que a Jane me mandou, já viu.


Só agora lembrei, sem estar certo se sonhei ou aconteceu mesmo, por que não casei com Marisa: recordo que eu ia convidá-la a juntar os trapos e ela leu meus pensamentos pelos meus olhos castanhos, deveriam estar brilhando de bobice, adiantou-se, impetuosa: vai te catar, gaúcho babaca, sou monte e não montaria. E saiu batendo a porta. Só faltou me chamar de pobretão, pura verdade, pois esse foi o motivo da retirada.


Fiquei catando coquinhos sem dizer uma palavra, juro que não tinha pensado em frescuras, ela deveria andar mordida com outros caras e eu paguei o pato. Deixa assim, no sonho, será que foi sonho?, ela estava muito magra mesmo, para o meu gosto.

Pero pensando nela, a deusa-cantora, lembrei de uma jóia da nossa música popular. 


Vomito raiva de fel no banheiro, verde como a bebida. Estou nu e está frio em Porto Alegre. 

Danço sozinho no apartamento, para viver e esquentar o corpo.

.


.
.


2 comentarios:

  1. Quantas vezes postou esse conto no face, né?Agora, tomei pra mim. Obrigada! Muito lindo. Parabéns sempre, Salito.

    ResponderEliminar
  2. Quantas vezes postou esse conto no face, né?Agora, tomei pra mim. Obrigada! Muito lindo. Parabéns sempre, Salito.

    ResponderEliminar