viernes, 19 de abril de 2013

Mulheres... E tiau, Mr. Hyde, na Charge do Dias

.
Os boêmios faltaram com a charge do Dias por uma semana ou mais. Mr. Hyde subiu, no início de abril. Poupo os bilhões de leitores, já choramos por todos, salvo por uma boa: deu baile, lá pela meia-noite, com bandoneón e guitarras, no João 23. Até logo, camarada.

Hyde sempre dizia que iria rir muito, ao ver lá de cima os infelizes que acham que viverão para sempre. Deve estar rindo a não mais poder, vendo alguns deputados do petê, entre estes o ser mais ridículo que apareceu na face da Terra, atolados na operação Fratelli da Polícia Federal.

Hoje Leila Ferro enviou as obras, logo após as notícias de Luciano sobre Os Filhos da Puta.

Aroeira, do Rio de Janeiro, RJ. (Por alguma razão sai embaçada, vê aí, Leilinha). 

Aos que estão mal de visão, é um cão (polícia federal do ministro Cardozão) lambendo os ovinhos do "o cara", das loras ou negas dele. Hoje a turma da palafita subiu nos tamancos, pois Mariana de Rosário me assopra, sem querer atrapalhar a digitação: "Chama logo de filho da puta, eu mato esse cara com os dentes, ele não é de nada, mata ele". 

Faço-me de surdo, eu hein. Mariana, até vir para a palafita, jamais tinha pego em caderno ou livro, mas tem mais cultura que o Lula, aquelas cosas que os antigos passam, de ervas que curam a gestos de recato na vida. Não cresceu em São Paulo, gigoleando, é de Rosário do Sul. Da Serra do Caverá, para ser mais exato. Mas não bate muito bem, segundo o pensamento dominante nos invejosos da sua espontânea grandeza, pois tem alma pura, diz o que pensa, não é falsa, e quando sente raiva, a raiva de impotência, única que lhe ataca, me sai com cada coisa. Depois passa, até se arrepende, é incapaz de matar uma barata. 

Por falar em rato de esgoto, opa, falei antes de barata?, dá na mesma, desejamos ao ridículo deputado negador do inegável uma duradoura prisão, estará entre os seus, chega de insultar a inteligência e a simplicidade dos brasileiros. E o que demorou.... deveria estar numa jaula desde os tempos da tesouraria. Boa noite, Olívio, como vai? Bem, dizia que ela é assim, espontânea, mesmo tendo passado horrores na vida, é bondosa e original ativista da natureza. Temos orgulho de Mariana de Rosário, bate bem, sim.

Surpreendentemente, Jacira de Uruguaiana, sempre calma e ponderada, apoiou a "doida", mesmo sabendo que a parceira estava em momento ruim: "Ela está certa, a gente deveria matar esses filhos da puta". Meu Deus, estou estranhando as minhas changas, ora, temos leis, meninas, e para que a boca suja?, não precisa. "Claro que temos, a lei para os pobres, nem somos tanto, diante da maioria sinto-me podre de rica hoje em dia, mas sob a lei para os honestos, é diferente da lei para os predadores", de novo Jacira, eta respondona. Peço para Kafil tirar o auto, vamos dar uma saída, así me dejam loco. A culpa é minha, não deveria ter falado coisas na frente das gurias. Fico pensando no bem maior que roubam, a esperança do povo, mas nestas circunstâncias é melhor nada dizer à Jacira.

A haitiana Sibylle, já queimando folhas e flores de vudu, apronta os bonecos simbolizando os zumbis bem mandados da Carta de Recife, agulhas prontas. Vou sair.






Os boêmios não são fáceis, achamos aqui que iriam deixar passar batido. Nada, ali quem corre menos voa. Referimo-nos aos caras que querem tirar, por lei, o direito dos procuradores da república, únicos que não têm chefe, de investigar suas roubalheiras, e mexendo logo na Lei Maior, por Proposta de Emenda à Constituição. A odiosa PEC 37. Querem ser investigados somente pela polícia, que, mesmo tendo, se fosse o caso, absoluta maioria de homens de bem em seus quadros, porém homens que, a depender da investigação, podem perder o cargo ou ser transferidos para a fronteira da Amazônia, mirar a mata de madrugada, linda solidão, ouvir os rugidos e os pios da floresta, o abandono no sem fim. Assim se rompe a dignidade dos homens, os que ficam já terão a espinha dobrada. O crime compensa, esse o recado. Aliás, isto não deveria nos surpreender, pois toda a criminalidade, todo o desespero dos sem futuro, são frutos do exemplo dado pelos governantes e congressistas, que são galgados aos altos cargos, ao fim e ao cabo, pelo povo da escuridão. O que sente um jovem, lutando como estafeta ou entregador de pizzas para levar grana para casa, ajudar na renda familiar, ao ver diariamente a roubalheira de milhões, algumas de bilhões? Se os pais da Pátria roubam, eu hein, vou ficar aqui com cara de sonso? - diz o despreparo das belas escolas que temos.

Isso sim, de proibir que os investiguem, é que é ser filho da puta, certo, ilustre Renan Calheiros? Como pode o senhor, um homem sem mácula, honestino, permitir uma coisa dessas? Este um dos temas debatidos, que acabou perdendo espaço pela homenagem que nos prestaram para agradecer a cessão do blog para a série da postagem anterior, Os Filhos da Puta. Não precisava, nós os reconhecemos como homens de bem, ó boêmios.

Dêem uma olhada em alguns nomezinhos (amanhã traremos todos), da Comissão de Justiça (que Deus me perdoe) que querem tirar da reta:

Deputados Arthur Oliveira Maia, Eliseu Padilha, Fábio Trad, João Campos, Reinaldo Azambuja, Arnaldo Faria de Sá, Ricardo Izar, Eliene Lima, Francisco Araújo, Edio Lopes, Fernando Francischini, Vilson Covatti, Bernardo Santana de Vasconcellos, Acelino Popó. 

Apresentaram votos em separado os Deputados Vieira da Cunha e Alessandro Molon.

Sobre Vieira da Cunha, gaúcho, que votou em separado, vamos procurar o voto, ele merece, já foi citado por este blog ao aguentar quase sozinho no caso do Código Florestal. Publicaremos seu voto na íntegra. Os não citados nominalmente são notórios, salvo também o Alessandro, de quem também veremos o voto, mas deve haver alguma exceção entre os demais, algum poderá ter votado por engano, o que veremos no seguimento.

O pior será nominar os demais deputados (além dos 14 acima) cúmplices desse terrível engodo, grande parte, ou todos, de espinha dobrada, seguindo os "líderes" das respectivas gangues, no imenso insulto aos seus eleitores e a todo o povo do Brasil.

Amâncio, de Natal, Rio Grande do Norte. Por proposição de Aristarco de Serraria, acolhida por unanimidade, vai para a parede do bar.



E Jorge Braga, de Goiânia, Goiás.



Ia sair, e saio. A casa já fumegando, Sibylle ligou o som e começou a dança, antes das agulhas entrarem nos bonecos, sobre as agulhas disse que começará metendo naquele lugarzinho. Ao rufar dos tambores Mariana saltou se contorcendo, quem diria, ela que ama boleros, o que faz a convivência. Elas sorriem, riem, se requebram, esquecem rápido, não são como eu, que guardo amargura no peito. Eu me mando, enquanto é tempo, vai que acabe pegando gosto em enfiar lâminas no..., bem, no coração dos bonecos. Elas sentem que não devem insistir comigo para ficar, só abanam, sabem que volto.


A coluna A Charge do Dias leva esse título pelo seu idealizador, o mestre Adolfo Dias Savchenko, que um belo dia se mandou para a Argentina, onde vive muito bem. Sucedeu-o na coordenação a jovem Leila Ferro, filha do Terguino, quando os boêmios amarelaram na hora de assumir o encargo. Antes eram dois butecos, o Beco do Oitavo e o Botequim do Terguino, que há poucos meses se..., bem..., se fundiram (veja AQUI), face a dívidas com o sistema agiotário. O novo bar manteve o nome de um dos butecos: por sorteio ficou Botequim do Terguino, agora propriedade dos ex-endividados António Portuga e Terguino Ferro. 


2 comentarios:

  1. i é hoje mesmo que não vou na Arena Monumental, show do Coberto Ralos. Ahrrg.

    ResponderEliminar
  2. Putz, preferível um copo de veneno.
    Abraço, Metstudo, grato pelo recado.
    Sala

    ResponderEliminar