jueves, 30 de septiembre de 2010

A Morte e o Avarento

.
É tempo de começarmos a falar de arte. Sendo o Brasil um país de tradição cristã, e como volta e meia neste blog se fala de banqueiros, empresários de corações empedernidos, políticos ladrões (perdão pela redundância, bastaria dizer políticos), aspones, marqueteiros da mentira com pagamento em contas do exterior, músicos vampiros, "pastores" ricaços, petroleiros americanos com assento de brasileiros comprados no governo, exploradores de seres humanos em geral, vem a calhar a lembrança da Morte.

Os banqueiros, em especial, devem admirar muito a obra de hoje. Afinal, são assassinos, que têm sociedade, quando não o controle acionário, das fábricas de armas, de gás venenoso, na Suécia e onde mais estejam.

É claro que não acreditam nisso, mas cedo ou tarde terão de refletir mais a respeito.

A Morte, perversos senhores. Que pode pegar seus descendentes na quadra de tênis. Tomara que os pegue logo, seus bichos, o mundo precisa disso, antes que o explodam.


O pintor flamengo Hieronymus Bosch (1450-1516), entre pinturas de pecado e tentação, também retratou a Morte.

 
Em 1490 apresentou A Morte e o Avarento, em óleo na madeira (93 x 31 cm), hoje na National Gallery of Art, Washington.

 
"Apesar de pertencer a outro tempo, Bosch olha para trás e retrata temas medievais, embora com perspectiva distinta. Na cena, um anjo suplicante intercede junto à luz de Cristo pela alma do avaro que, mesmo em seu leito de morte, recebe de um monstro o lucro sujo de sua usura. Repare na face macilenta da morte, vestida de branco e portando uma fina seta, e nos estranhos seis seres que espreitam a cena, desde o anjo maléfico de negro acima da capa, até o homem-rato que recebe a moeda do contador do usurário no cofre. Observe que mesmo com todo o ambiente sinistro da pintura, ainda há esperança para o avaro, coisa impensável trezentos anos antes". (Ricardo Costa - grifos do autor)

 
Com tantas figuras macabras cercando a bela alma, será que o anjo que suplica vai levar? Será que agora, no século 21, o anjo vai suplicar pela alma caliginosa do malvado, com tantas crianças morrendo de fome, quando não pisam em minas terrestres? Vai?

Vai nessa, o anjo quererá é jogá-los no último círculo do inferno.



Detalhes:







O dinheiro, por baixo dos panos. O banqueiro, morrendo, ainda quer, apaixonado, o dinheiro.










2 comentarios:

  1. Muito bom o texto...e pertinente para qualquer época nada muda o homem é feito de cruzes e corações. Quem sabe depois da morte possa avaliar e perceber as burrices que fez....

    ResponderEliminar
  2. Muito bom o texto...e pertinente para qualquer época nada muda o homem é feito de cruzes e corações. Quem sabe depois da morte possa avaliar e perceber as burrices que fez....

    ResponderEliminar